Carregando...
whitebook e medcards

Estudante Revisamed é Premium no Whitebook e Pro Medcards/Brainscape

Mais uma boa notícia do Revisamed para os estudantes de Medicina que estão se preparando para as provas de residência médica. A partir de agora, o estudante Revisamed é Premium no  Whitebook e Pro no Medcards/Brainscape.

whitebook e medcards

Por que o Revisamed disponibiliza estas ferramentas para os estudantes?

E por que o Revisamed disponibiliza estas ferramentas para os estudantes? A resposta é simples. Oferecer mais recursos para ampliar o acesso a conteúdos importantes na preparação para as provas de residência.

O aplicativo, a plataforma e os flashcards complementam a metodologia de estudo utilizada pelo Revisamed para que o estudante passe na residência médica e seja, no futuro, um médico especialista muito mais bem preparado.

Conhecimento para passar na residência e usar em toda carreira médica

O conhecimento disponibilizado pelo curso Revisamed tem como o objetivo principal o sucesso nas provas de residência médica, embora, é claro, oferece ao médico conhecimentos aprofundados que serão importante na sua carreira profissional.

Aquele estudante que começa a se preparar para a residência médica em paralelo ao internato vai ter todo o material disponível na plataforma digital do Revisamed e, com mais estes recursos, terá um desempenho muito melhor no estágio.

E por que o desempenho no internato será melhor? Isto porque, em cada estação que o estudante estiver no estágio, como por exemplo, na pediatria, ele poderá acessar a plataforma e consultar o tema que esta estudando, adquirindo e ampliando conhecimentos. É a sintonia entre o Revisamed e o internato.

O que é ser Premium no Whitebook e Pro Medcards/Brainscape ?

Ser Premium no Whitebook e Pro no Medcards/Brainscape é ter acesso a todo o conteúdo disponibilizado pelas ferramentas. No meio médico, o Whitebook é considerado uma dos melhores aplicativos. E tudo isto, sem pagar nada a mais na mensalidade do Revisamed.

Como funciona o Whitebook?

Criado pela PEBmed, o Whitebook é uma  aplicativo de suporte à decisão clínica, alinhado às necessidades do médico: manter o profissional atualizado, ajudar a tomar as melhores decisões para o paciente em qualquer lugar, a qualquer hora. 

O aplicativo tem objetivo de ajudar o médico a tomar melhores decisões para seus pacientes, baseado no que há de mais bem recomendado pelos guidelines nacionais e internacionais. 

Desenvolvido por médicos, o Whitebook é a ferramenta mais completa e segura para condutas diagnósticas e terapêuticas, o aplicativo nº 1 para tomada de decisões, além de ser ser uma ferramente completa em conteúdos.

O Whitebook conta com informações de qualidade voltadas para a prática médica e de fácil acesso, diretamente no seu celular.

Veja alguns dos serviços oferecidos pelo APP, que agora, tem o Revisamed como parceiro: 

  • oito mil tópicos em todas as especialidades
  • presente em mais de 800 cidades do Brasil
  • 300 mil usuários
  • rotinas; instruções de condutas e protocolos da prática médica geral. Inclui desde guia de preenchimentos de atestados e encaminhamentos até checklist de cuidados intra-hospitalares
  • informações fundamentais sobre exames laboratoriais, da solicitação à  interpretação dos resultados
  • condutas para o suporte clínico ao paciente
  • mais de 100 calculadoras para scores clínicos fundamentais para a prática clínica
  • guia de prescrição  com as condutas terapêutica mais atualizadas em mais de 500 doenças
  • amplo bulário de medicamentos
  • catálogo completo de doenças e condições clínicas de acordo com a CID 10
  • catálogo completo de códigos de procedimentos do SUS
  • informações completas sobre vacinas

Como funciona o  Medcards/Brainscape?

Buscar um método eficaz para estudar é um desafio para quem está se preparando para as provas de residência médica.

Existem métodos de baixa e alta eficácia. O Revisamed utiliza uma metodologia de alta eficácia para que o estudante otimize o tempo e tenha o resultado esperado. Ter a parceria com a plataforma Brainscape e o Medcards aperfeiçoa ainda mais a metodologia Revisamed.

Flashcards uma das melhores maneiras de estudar

A MedCards, em parceria com a Brainscape, acredita que a melhor maneira de estudar é através de flashcards. Somente o algoritmo cientificamente comprovado de Repetição Baseada em Confiabilidade (RBC) da Brainscape poderá ajudá-lo a fazer essa revisão de maneira rápida e eficiente. O sistema RBC, possui um sistema inteligente de repetição dos flashcards de acordo com o seu nível de conhecimento sobre cada um.

Assim como a trilha de estudo Revisamed, a  Brainscape otimiza seu tempo de estudo, para que você possa aprender mais rápido e reter informações por mais tempo.

Atualmente, a MedCards é uma equipe de médicos e estudantes de medicina que revisaram a literatura e mais de 40.000 questões dos últimos anos. Trabalharam minuciosamente para lhe oferecer um material atualizado, de alta qualidade e que abrange tudo o que você precisa saber para ser aprovado. 

Devido ao grande sucesso destes flashcards entre os estudantes de medicina no Brasil, a MedCards aliou-se ao Brainscape para fornecer a forma mais inteligente de você se preparar para as suas provas.

Veja a composição do Material:

  • Mais de 8.000 flashcards rápidos e concisos, divididos em áreas do conhecimento que são cobradas nos exames de residência médica: clínica médica, cirurgia, ginecologia, obstetrícia, pediatria, medicina preventiva, semiologia, dermatologia, psiquiatria, ortopedia, oftalmologia e otorrinolaringologia.
  • Interação efetiva com todos os usuários MedCards, através da opção “Sugira uma edição/Suggest an Edit”.
  • Acesso aos flashcards no aplicativo móvel e no website.
  • Áudios de alta qualidade em ausculta respiratória e cardíaca.
  • Milhares de imagens, animações e macetes (na forma de imagens), personalizadas e estilizadas com o Photoshop, para ajudá-lo a lembrar no momento da prova.
  • Breve explicação usando palavras-chave.
  • Estatísticas e ferramentas de visualização para ajudá-lo a acompanhar sua evolução em cada tema.
  • Decks específicos para “atualizações”. Nesta área, você encontrará as mudanças propostas pela literatura médica mundial (ex: ATLS, Sabiston, Cecil, Harrison, Berek & Novak, etc).
  • Incluem-se também as mudanças propostas pelo Ministério da Saúde no que se refere à abordagem diagnóstica de doenças, esquemas terapêuticos, modelos e políticas nacionais de saúde, etc. As provas amam cobrar as mudanças! (com sites da PEBmed e Brainscape)

Gostou da novidade? Então, acompanhe nosso blog e fique por dentro de todas as informações do Revisamed. Vem para nosso curso e Aprenda com quem faz!

 

 

 

 

 

revisamed parcelas

 

residencia médica acesso direto

PSU Minas: divulgada a relação candidato/vaga para as provas de residência

Se você está ansioso para saber como será a concorrência para os programas de residência médica do Processo Seletivo Unificado (PSU/MG) o Revisamed disponibiliza a relação candidato/vaga  em cada especialidade e instituições que participam do PSU-MG.

residencia médica acesso direto

A relação foi divulgada no final de semana pela Associação de Apoio à Residência Médica de Minas Gerais – Aremg e o blog Revisamed disponibiliza para você consultar.

CLIQUE AQUI E CONFIRA A RELAÇÃO CANDIDATO/VAGA POR ESPECIALIDADE E INSTITUIÇÃO

 

O concurso de residência médica de Minas é o maior do Brasil em número de instituições participantes o que, certamente, significa muitas oportunidades em praticamente todas as áreas médicas em hospitais renomados.

A prova teórica está marcada para o dia 17 de novembro. Já o seu desempenho na prova teórica poderá ser conhecido no dia 12 de dezembro.

PSU Minas candidato/vaga: concurso em duas etapas

O concurso unificado de residência em Minas é realizado em duas etapas: prova teórica e a avaliação curricular.

O resultado final será conhecido no dia 29 de janeiro de 2020. Para mais informações leia também HMTJ participa do PSU MG, o maior concurso de residência médica em número de instituições

Veja como são as provas da residência médica Minas

As provas com programas de residência médica do HMTJ com acesso direto seguem os requisitos do processo unificado com 100 (cem) questões objetivas (múltipla escolha), sendo 20 questões para cada uma das seguintes especialidades: Cirurgia Geral, Clínica Médica, Obstetrícia e Ginecologia, Medicina Preventiva e Social (Saúde Coletiva e Medicina Geral de Família e Comunidade) e Pediatria.

Revisamed, curso online preparatório para Residência Médica e Atualização em Medicina disponibiliza provas de residência para você medir o grau de conhecimento. Acesse aqui aproveite para estudar um pouco mais.

Já para os programas com pré-requisito são até 50 questões objetivas (múltipla escolha) ou até 10 (dez) questões abertas envolvendo as áreas que são pré-requisitos para entrada no Programa. Além das provas, há também avaliação curricular.

Fique ligado no blog Revisamed e saiba tudo sobre as provas de residência médica em todo país. Aproveite também as provas de residência médica  do Revisamed para testar o seu conhecimento.

 

 

revalida

Como se preparar para o novo Revalida

Qualquer pessoa formada em Medicina em outro país precisa ser aprovada no exame antes de exercer a profissão no Brasil. Veja as dicas que o Revisamed preparou para você. Sem o Revalida, o profissional não consegue fazer seu registro no Conselho Regional de Medicina e não é autorizado a desempenhar a atividade médica em qualquer lugar no país. 

revalida

 Se você é um dos milhares de brasileiros que optou por fazer o curso de Medicina no exterior precisa saber que não basta se formar e voltar para o país para exercer a profissão. Para que isto aconteça, médicos formados no exterior precisam fazer o Revalida – o Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituições de Educação Superior Estrangeiras.

Embora o Revalida esteja passando por mudanças, conforme informou o INEP ao blog Revisamed, a tendência é de que as provas em duas etapas – teórica e prática – sejam mantidas. Portanto, independente das mudanças, você que já se formou ou está concluindo o curso de Medicina no exterior precisa estar preparado.

Qual o conteúdo estudar para a prova do Revalida ?

Criado em 2011, o Revalida nada mais é do que um teste para verificar se o profissional possui os conhecimentos, habilidades e competências necessárias para exercer a Medicina no país. Para comprovar estas habilidades e conhecimentos você que se formou no exterior fará uma prova teórica com 105 questões, sendo 100 de múltipla escolha e 05 discursivas.

A estrutura da prova abrange as cinco grandes áreas da Medicina: Clínica Médica, Cirurgia, Pediatria, Ginecologia e Obstetrícia e Medicina Familiar e Comunidade. É bom que você fique sabendo que alguns temas são recorrentes desde que o exame foi instituído, segundo análise de alguns especialistas.

 

Área Temas
Ginecologia e obstetrícia Pré-natal, parto, aleitamento, distúrbios menstruais, anticoncepção, mastologia, oncologia, doenças clínicas da gravidez, sofrimento fetal.
Pediatria Pneumologia, diarreia, infectologia, violência doméstica, trauma, toxicologia, crescimento e desenvolvimento, neonatologia
Clínica endocrinologia, hepatologia, infectologia, nefrologia, neurologia, pneumologia, psiquiatria, reumatologia, oncologia, toxicologia, cardiologia, dermatologia.
Cirurgia coloproctologia, complicações em cirurgia, hérnias, técnica cirúrgica, anestesia, traumatologia, hemorragia digestiva, abdome agudo, cirurgia vascular, urologia, trauma abdominal, doenças das vias biliares, obstrução intestinal.
Preventiva medidas de saúde coletiva, epidemiologia, estratégia de saúde da família, SUS, medicina legal e ética médica, saúde do trabalhador

Temas das questões discursivas do último Revalida

O último Revalida foi realizado em 2017 e neste teste as questões discursivas abordaram temas de grande importância para a prática médica. Os médicos formados no exterior tiveram que responder sobre: síndrome metabólica; morte encefálica e conduta médica quanto à doação de órgãos; diagnóstico de Sífilis; diagnóstico de condiloma acuminado e violência sexual infantil e equipe da Saúde da Família.

Saiba também como funciona a prova prática

O conhecimento teórico, segundo os analistas do Revalida, é importante, porém o médico formado no exterior precisa ter as habilidades e competências estabelecidas pelas Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação da Medicina.

Entre as habilidades, podemos citar atenção à saúde, tomada de decisões, comunicação, liderança, administração e gerenciamento, e educação permanente. Isto porque, a prova prática da segunda etapa do Revalida, exige que o candidatos realizem tarefas como:

  • Investigação de história clínica.
  • Realização de exame físico.
  • Interpretação de exames complementares.
  • Formulação de hipóteses diagnósticas.
  • Estabelecimento de plano terapêutico.
  • Demonstração de procedimentos médicos.
  • Aconselhamento a pacientes ou familiares

Mudanças incluem duas edições do Revalida por ano

O Revalida tem o objetivo de atender melhor os médicos que estudaram fora do país e pretendem atuar no Brasil, garantido a qualidade da formação do profissional estrangeiro, assegura o INEP. Para isto, as mudanças estão sendo estudadas um grupo de trabalho interministerial, criado especificamente para tratar do estudo e diagnóstico dos processos de revalidação dos diplomas de Medicina no Brasil.

Mas antes mesmo de as novas regras começarem a valer, é importante que você saiba que há a expectativa de que o Revalida passará a ter, pelo menos, duas edições por ano. E os profissionais terão a oportunidade de fazer a segunda fase do processo mais de uma vez.

Segundo a Agência Brasil, o Ministério da Educação (MEC) já anunciou que as provas continuarão sendo realizadas como antes, em duas etapas. A primeira com uma prova objetiva e a segunda com prova prática, em uma estação clínica.

A diferença, agora, é que o aluno que reprovar a segunda fase pode refazê-la por mais duas vezes em edições consecutivas. Até agora, o candidato precisava realizar todo o processo desde o início.

Uma outra sugestão é que a Secretaria de Educação Superior (Sesu), do Ministério da Educação (MEC), com colaboração do Conselho Federal de Medicina (CFM), passe a ser responsável pelo Revalida. A previsão do MEC é que publicação da portaria para instituir o Novo Revalida e do edital ocorram ainda este ano.

Esperamos que estas informações ajudem você estudante de Medicina do exterior a começar a se preparar para o Revalida.

Conheça o curso Revisamed que, agora, também oferece a opção do preparatório para o exame e revalidação do diploma.

Continue acompanhando nosso blog e todas as informações sobre o Revalida.

 

 

residência médica usp

Residência médica da USP: saiba como funciona? 

A Faculdade de de Medicina da USP abre inscrições para o processo seletivo de  residência médica e o Revisamed traz todas informações para você.  As inscrições começam a partir de 02 de outubro de 2019. A USP oferece 54 programas de treinamento em áreas reconhecidas.

Como funciona a residencia da USP

Que tal conquistar uma das vagas 883 vagas de residência na Faculdade de Medicina da USP?. Afinal, a residência médica da USP é uma das mais disputadas e renomadas do país.

Se este é o seu sonho, fique atento, porque o período de inscrição vai de 2 a 21 de outubro de 2019, e a primeira prova acontece no dia 15 de novembro. 

As vagas estão distribuídas em especialidades básicas de acesso direito e vagas que exigem pré-requisito, além dos chamados programas de anos adicionais/áreas de atuação.

Acesso direto: veja as normas para a residência da USP 2020

O edital estabelece uma série de normas e regras para quem vai concorrer a uma vaga de acesso direto.Neste artigo, o blog Revisamed vai mostrar os principais pontos do edital, porém, é importante que o profissional ou o estudante lei todo o documento para não enfrentar qualquer problema durante o processo do concurso. Mais importante, é não perder nenhuma publicação.

Mais de 310 vagas para especialidades médicas com acesso direto

Ao todo são 315 vagas em 28 especialidades, além de 42 vagas reservadas para forças armadas (retorno). Na tabela abaixo mostramos todos as áreas básicas, a duração da residência e as vagas previstas. Confira:

 

Programas  Duração  Vagas Previstas  Forças Armadas (Retorno)
ÁREAS BÁSICAS
Programa de Pré-Requisito em Área Cirúrgica Básica 2 anos 39
Clínica Médica 2 anos 39 
Medicina de Família e Comunidade 2 anos 10
Medicina Preventiva e Social 2 anos 5
Obstetrícia e Ginecologia 3 anos 14  2
Pediatria  3 anos 36 4
Acupuntura  2 anos  01
Anestesiologia 3 anos  25 5
Cirurgia Cardiovascular  5 anos  3 1
Dermatologia 3 anos  9 1
Genética Médica 3 anos  2
Infectologia 3 anos  5 3
Medicina de Emergência 3 anos 0 1
Medicina do Trabalho  2 anos 2
Medicina Esportiva 3 anos 5 1
Medicina Física e Reabilitação 3 anos 10
Medicina Legal e Perícia Médica  3 anos 1 1
Medicina Nuclear 3 anos 5
Neurocirurgia  5 anos 4
Neurologia 4 anos 9 3
Oftalmologia  3 anos 14
Ortopedia e Traumatologia 3 anos 14 4
Otorrinolaringologia  3 anos 8
Patologia 3 anos 8
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial 3 anos 1
Psiquiatria  3 anos 18 2
Radiologia e Diagnóstico por Imagem  3 anos 23 1
Radioterapia  4 anos 5

 

Saiba sobre estágios, carga horária e locais dos programas

Se você ainda não sabe, fique ligado. Conforme é exigido pela legislação, por se tratar de um treinamento em serviços, a residência médica da USP, assim como as demais, é constituída obrigatoriamente por estágios práticos, que ocupam de 80% a 90% da carga horária. Consequentemente, o tempo restante é dirigido a atividades teórico-pedagógicas complementares. 

De acordo com a área, os programas têm duração de 1 a 5 anos, com carga horária anual é de 2.880 horas ou 60 horas semanais, incluindo 24 horas semanais de plantão, com folgas previstas conforme as normas estabelecidas.

No site da USP você vai ver que parte da residência médica pode ser cumprida no Hospital Universitário (HU) da USP, ou no Hospital das Clínicas da FMUSP, ou mesmo em Unidades Básicas de Saúde (UBS), conforme a especialidade escolhida.

Principais pontos do edital para residência da USP 2020

Para começar, é bom ficar atento ao período de inscrição que vai do dia 02 ao dia 21 de outubro de 2019.  Podem se inscrever para disputar uma das vagas médicos formados em cursos autorizados e reconhecidos pelo MEC e inscritos no Conselho Regional de Medicina. 

Também podem se candidatar estudantes matriculados no último período de curso de graduação em MEDICINA, reconhecidos e autorizados pelo MEC, que venham a concluir a graduação antes do prazo estipulado para início dos Programa de Residência Médica pretendido – 2020. 

Edital prevê 60 vagas para treineiros 

Se você é aquele estudante que está ansioso para saber como é a prova de residência médica da USP,  mesmo ainda não podendo disputar uma vaga, o edital reserva algumas vagas para os chamados treineiros.

Para quem deseja ter esta experiência , o edital prevê 60 vagas para estudantes matriculados em curso de graduação em MEDICINA reconhecido pelo  MEC, que estejam concluindo ou concluíram o 10º semestre, não concorrendo às vagas especificadas do edital.

Os treineiros podem realizar as provas da 1ª fase (prova objetiva de múltipla escolha e prova escrita dissertativa), bem como a Prova Prática da 2ª fase, se foram  classificados para a 2ª fase (prova prática).

Como as vagas de treinamento são limitadas a 60, quando completarem as inscrições automaticamente o sistema será bloqueado. 

Comprovação da instituição precisa estar atualizada

E atenção treineiros! Obrigatoriamente, durante o período de inscrições, você deverá enviar, através do site Faculdade de Medicina , no campo Processo Seletivo – 2020 ou na organizadora do concurso na “Área do Candidato”, cópia legível do comprovante de matrícula ou de conclusão do 10º semestre no curso de graduação em Medicina, expedida por instituição de ensino pública ou privada, com data de emissão recente (a partir de agosto/2019). 

A comissão de residência irá avaliar o documento, que deverá ser exclusivamente no formato PDF, e irá aprová-lo ou rejeitá-lo, caso este não esteja de acordo com os critérios estabelecidos. 

Candidato deve acompanhar resultado

Mas não basta enviar o documento. Você precisa acompanhar o resultado através dos sites, e, caso o documento seja rejeitado, deve encaminhar outro que atenda os critérios estabelecidos durante o período de inscrições.

 Não serão aceitos documentos enviados após o término do período de inscrições. Quem não enviar o documento, não terá sua inscrição deferida, mesmo que tenha realizado o pagamento do boleto. 

residencia médica usp

Concurso prevê provas objetiva, dissertativa, prática e análise curricular

Em resumo, o edital de residência médica da USP, prevê prova objetiva de múltipla escolha e prova dissertativa na 1ª fase do concurso. A prova objetiva de múltipla escolha é classificatória e eliminatória, com 100 questões de múltipla escolha, com quatro alternativas de resposta.

Os candidatos à residência terão, nesta prova, mesmo número de questões nas especialidades de Cirurgia Geral, Clínica Médica, Obstetrícia e Ginecologia, Medicina Preventiva e Social e Pediatria.

Já a prova escrita dissertativa – também classificatória e eliminatória – terá cinco questões dissertativas, objetivas e de respostas curtas. O conteúdo é o mesmo da graduação nas áreas básicas. O candidato que for classificado e habilitado para a segunda fase fará a prova no dia 05 de dezembro 2019.

Classificados farão prova prática

Um dos desafios de quem busca a especialização na residência médica é o de enfrentar a prova prática. Em outras palavras, no concurso da USP, todos os candidatos habilitados na 1ª fase farão a prova em ambientes sucessivos, igualmente aplicados a todos, relacionada às especialidades Cirurgia Geral, Clínica Médica, Obstetrícia e Ginecologia, Medicina Preventiva e Social e Pediatria.

Esta prova será documentada por meios gráficos e/ou eletrônicos.

A prova prática está prevista para o dia 15 de dezembro. É importante ainda destacar que não haverá segunda chamada em hipótese alguma. A prova será aplicada em estações e o estudante não pode portar qualquer objeto.

Uma curiosidade é que o edital deixa explícito que as orelhas dos candidatos devem estar “totalmente descobertas e visíveis  à observação dos examinadores e fiscais”, isto por medida de segurança.

Análise e arguição de currículo

Nesta última etapa da prova de residência médica da USP para as especialidades com acesso direto os treineiros não participam. Quem ainda estiver na disputa por uma das vagas, fará esta etapa entre os dias 07 e 15 de janeiro de 2020. No período de 12/12/2019 até 26/12/2019 o estudante deve enviar as informações do currículo pela internet e, na da da arguição, apresentar a documentação comprobatória. 

O edital disponibiliza contatos para informações específicas sobre a fase de análise e arguição e currículo.

Depois de todos os processos de divulgação das notas, eventuais recursos, contagem de pontos, entre outros, o candidato que conseguir chegar lá , fará a matrícula no programa de residência  da Faculdade de Medicina da USP no período de 10 e 12 de fevereiro de 2020.

E aí ficou interessado na residência médica da USP? Na próxima parte do artigo vamos falar dos programas de residência médica da USP que exigem pré-requisitos. Vamos lá?

residência médica usp

Pré-requisito: confira os programas de residência médica da USP 2020

Agora, se você já fez uma residência médica e quer seguir em frente na carreira médica, pode ter nos programas da USP um caminho de sucesso na profissão. Para as Especialidades Clínicas, a residência da USP oferece programas nas seguintes áreas:

 

Programas  Duração  Vagas Previstas 
Especialidades Clínicas
Alergia e Imunologia 2 anos 2 vagas
Cancerologia/Clínica  3 anos 14 vagas
Cardiologia 2 anos 24 vagas
Endocrinologia 2 anos 10 vagas
Gastroenterologia 2 anos 4 vagas
Geriatria  2 anos 10 vagas
Hematologia e Hemoterapia 2 anos 6 vagas
Nefrologia 2 anos 12 vagas
Pneumologia 2 anos 4 vagas
Reumatologia 2 anos 12 vagas

O prazo de inscrição para os médicos que vão fazer R3 é o mesmo, entre os dias 2/10 e 21/10/2019. E, na inscrição, o médico declara ter concluído o programa de Residência Médica em Clínica Médica credenciado pela Comissão Nacional de Residência Médica ou que irá concluí-lo até a data de 28/02/2020 ou que obteve revalidação do seu diploma, segundo a legislação vigente.

Como serão as provas?

O concurso nas especialidades Clínicas Médicas constará de prova objetiva de múltipla escolha, classificatória e eliminatória, com 1oo questões, com conteúdo programático do Programa de Residência Médica em Clínica Médica ( especialidade do pré-requisito). Estas provas serão realizada também no dia 15 de novembro. Portanto, o prazo é curto entre uma prova e outra.

Um mês depois depois, no dia 15 de dezembro, se você foi habilitado na primeira fase, será convocado para a prova prática. E, na sequência, serão realizadas a análise e arguição do currículo, entre os dias 7 e 17 de janeiro de 2020.

A nota final de cada candidato será o resultado da pontuação obtida em cada fase, conforme segue:

[(Prova da 1ª fase X 5) + (Prova Prática X 4) + (Análise e arguição de curriculum vitae X 1)]/10. 

Quais e como são os programas nas Especialidades Cirúrgicas?

Agora, vamos falar uma pouco do que é exigido para os candidatos aos programas de residência médica da USP das Especialidades Cirúrgicas no processo seletivo 2020.

Basicamente, as orientações e o processo seguem a mesma linha das Especialidades em Clínica. O que muda é o conteúdo das provas que, neste caso, passa a ser para Cirurgia Geral, que é pré-requisito nas Especialidades Cirúrgicas. Abaixo colocamos a tabela com os programas oferecidos na residência médica da USP.

 

Programas Duração Vagas Previstas
Especialidades cirúrgicas
Cirurgia do Aparelho Digestivo 2 anos 07
Cirurgia Geral – Programa Avançado  2 anos 04
Cirurgia Pediátrica  3 anos 01
Cirurgia Plástica 3 anos 09
Cirurgia Torácica  2 anos 04
Cirurgia Vascular  2 anos 05
Coloproctologia 2 anos 01
Urologia 2 anos 06

Especialidades com outros pré-requisitos. O que diz o edital ?

Os programas de residência médica da USP também selecionam vagas para as especialidades médicas que exigem outros pré-requisitos. Ou seja, se você já fez uma especialização e pretende a chamada subespecialidade deve seguir os mesmo prazos e procedimentos para inscrição.

Datas e fases das provas também são as mesmas. O que muda são os conteúdo das provas, que serão de acordo com a especialidade escolhida. Você precisa também comprovar já ter o pré-requisito ou que vai concluí-lo até a data de 28/02/2020 ou que obteve revalidação do seu diploma, segundo a legislação.

O candidato faz provas objetivas de múltipla escolha, classificatória e eliminatória, com 100 questões de múltipla escolha  com o conteúdo do programa de pré-requisito, além de prova dissertativa com 5 questões. Faz também a prova prática e análise e arguição de currículo.

Veja abaixo as especialidades médicas com os respectivos pré-requisitos, a duração e o número de vagas previstas:

 

Programa Pré-requisito Duração  Vagas previstas
Hemoterapia Pediátrica Pediatria 2 anos 1
Mastologia Cirurgia Geral ou Obstetrícia e Ginecologia 2 anos 5
Medicina Intensiva Cirurgia Geral ou Clínica Médica ou Anestesiologia ou Neurologia ou Infectologia 2 anos 10
Medicina Intensiva Pediátrica Pediatria 2 anos 4
Nefrologia Pediátrica  Pediatria 2 anos 2
Neonatologia  Pediatria 2 anos 9
Neurologia Pediátrica  Neurologia ou Pediatria  2 anos 5
Nutrologia Cirurgia Geral ou Clínica Médica 2 anos 2
Reumatologia Pediátrica  Pediatria  2 anos 1

 

Residência Médica da USP de anos adicionais e de áreas de atuação

Para os programas de Residência Médica das especialidades com anos adicionais e de áreas de atuação,  todo o processo para segue os mesmo prazos e normas dos editais das modalidades de acesso direto e com pré-requisitos anteriores.

Nestes casos, a mudança está na etapas de provas e conteúdos. Para as áreas que vamos mostrar na tabela abaixo, serão realizadas provas escritas dissertativas na primeira etapa do processo seletivo.

Nesta prova, o candidato responde a 5 (cinco) questões dissertativas, objetivas e de respostas curtas,  sobre o conteúdo programático do programa de pré-requisito. A prova terá o valor de zero a 100.

A convocação dos habilitados para 2ª fase será feita no dia 05 de dezembro, por ordem de classificação e nos sites do concurso. Veja abaixo as áreas, pré-requisitos, duração e as vagas previstas.

 

Programa/Área de Atuação  Especialidades de pré-requisito Duração  Vagas previstas
Dor Anestesiologia  1 ano 1
Dor Neurologia, Neurocirurgia 1 ano 1
Endoscopia Digestiva  Gastroenterologia, Coloproctologia, Cirurgia do Aparelho Digestivo, Endoscopia 1 ano  1
Endoscopia Ginecológica  Obstetrícia e Ginecologia  1 ano 1
Medicina do Sono Clínica Médica, Neurologia, Otorrinolaringologia, Pediatria, Pneumologia e Psiquiatria  1 ano 2
Medicina Fetal  Obstetrícia e Ginecologia  1 ano 2
Medicina Paliativa Anestesiologia, Cancerologia, Clínica Médica, Geriatria, Medicina de Família e Comunidade ou Pediatria, Cirurgia de Cabeça e Pescoço, Medicina Intensiva e Neurologia.  1 2
Neurofisiologia Clínica  Medicina Física e Reabilitação 1 ano 1
Neurofisiologia Clínica  Neurologia 1 ano  1
Psicogeriatria Psiquiatria 1 ano 3
Psicoterapia Psiquiatria 1 ano  2
Psiquiatria da Infância e da Adolescência Psiquiatria  1 ano  6
Psiquiatria Forense  Psiquiatria 1 ano  2

 

Veja agora a tabela com as especialidades com ano adicional 

 

Programa/Ano Adicional  Pré-requisito Duração  Vagas Previstas
Endocrinologia  Endocrinologia  1 ano 1
Obstetrícia e Ginecologia  Obstetrícia e Ginecologia  1 ano 2
Psiquiatria  Psiquiatria  1 ano 1

Como será o processo seletivo para residência médica da USP

Em resumo, o processo seletivo constará das seguintes provas: prova escrita dissertativa pontuada de 0 a 100, com 5 (cinco) questões dissertativas, objetivas e de respostas curtas. O conteúdo programático segue o programa de pré-requisito.

Os candidatos habilitados nos programas de residência médica da USP Dor/Neurologia e Neurocirurgia e  Psiquiatria da Infância e Adolescência/ Psiquiatria fazem prova prática. Já a análise de currículo para todos os habilitados na primeira fase acontece  entre 07 e 15 de janeiro de 2020.

Nestes programas de residência a nota final de cada candidato é o resultado da pontuação obtida em cada fase, conforme segue:

[(Prova da 1ª fase X 5) + (Prova Prática X 4) + (Análise e arguição de curriculum vitae X 1)]/10.

Entretanto, já os programas que que NÃO realizam prova prática, a prova escrita comporá 90% da nota, de acordo com a regulamentação vigente, enquanto a análise e arguição de currículo comporá 10% da nota do candidato. 

Com isto, a nota final de cada candidato é o resultado da pontuação obtida em cada fase, conforme segue:

[(Prova da 1ª fase X 9) + (Análise e arguição de curriculum vitae X 1)]/10. 

Preparação é essencial para conquistar a vaga na residência médica da USP

Como vocês viram, o processo seletivo para os programas de residência médica da USP são bastantes complexos, com muitas nuances e detalhes, conforme cada especialidade médica, além de ser disputadíssimo. Portanto, é sempre bom ficar ligado.

Por isto, é muito importante que o candidato leia todo o edital e acompanhe as publicações da USP para evitar problemas de última hora.

Já para quem ainda está se preparando para enfrentar os concursos de residência é importante acompanhar os processos para já se familiarizar com as normas do concurso.

Uma boa oportunidade é fazer a prova como treineiro. No mais, é continuar estudando, aproveitando todas as dicas e orientações  do Revisamed para conquistar a sua vaga na USP.

 Agora, fique atento ao período de inscrição. Se você está se preparando é bom que antecipe tudo o que for possível para não ser pego de surpresa na última hora. Resumindo, no mais é  só ter tranquilidade para cumprir com sucesso cada uma das fases exigidas e boa sorte!

Quer fazer questões de provas para ficar ainda mais preparado?

Então clique aqui e aproveite para testar o seu desempenho e continue acompanhando o Blog Revisamed para mais informações e dicas.

 

psu minas candidato vaga

HMTJ participa do PSU MG, o maior concurso de residência médica em número de instituições

psu minas candidato vaga

Se você está procurando um concurso residência médica em Minas Gerais uma das melhores oportunidades é a residência do Hospital e Maternidade Therezinha de Jesus (HMTJ), em Juiz de Fora, cidade referência em assistência à saúde.

Você já está se preparando para o Processo Simplificado Unificado (PSU) de Minas Gerais? Então saiba que o concurso de residência médica de Minas é o maior do Brasil em número de instituições participantes o que, certamente, significa muitas oportunidades em praticamente todas as áreas médicas em hospitais renomados.

Candidato pode se inscrever para mais de uma instituição

Além de ser o maior concurso unificado em número de instituições, no último processo foram 85 instituições participantes, o maior diferencial do  Processo Simplificado Unificado (PSU/MG) para residência médica de Minas em comparação a outros concursos unificados no Brasil, é a possibilidade de o candidato se inscrever para várias instituições. 

E, ainda, ele faz apenas a prova uma única vez. De acordo com a nota, ele tem a opção de escolher em qual instituição irá fazer a sua residência. Tudo bem que o estudante precisa pagar pela inscrição em cada uma das instituições, porém, esta possibilidade não deixa de ser atraente. Por exemplo, se ele quiser concorrer em cinco instituições terá que pagar 5 taxas de inscrição.

Edital da residência médica em Minas deve ser publicado ainda em setembro

De acordo com as informações prévias, o edital do PSU para residência deve ser publicado no dia 21 de setembro. Ainda podem ocorrer alterações, porém, a previsão é de que as inscrições sejam realizadas no período entre os dias 08 e 21 de outubro. 

A prova teórica está prevista para o dia 17 de novembro. Já o seu desempenho na prova teórica poderá ser conhecido no dia 12 de dezembro. 

O concurso unificado de residência em Minas é realizado em duas etapas: prova teórica e a avaliação curricular. No último processo foram disponibilizados 1743 vagas em 570 programas de residências e 82 especialidades. 

Residência do Hospital e Maternidade Therezinha de Jesus, em Juiz de Fora, participa do processo unificado

Se vocês já está decidido que vai fazer residência médica em Minas Gerais, uma das novidades deste ano é a inclusão do Hospital e Maternidade Therezinha de Jesus (HMTJ), em Juiz de  Fora, que participará, pela primeira vez do processo unificado.

O HMTJ é 100% e acreditado pela Organização Nacional de Acreditação -ONA com Excelência, nível 3. Faz parte da Rede Sentinela, da Anvisa e, de forma regional, trabalha os princípios do Sistema de Qualidade da Gestão, SGQ:5S, sob selo SENES e premiação na área de Sustentabilidade.

O edital do HMTJ já está pronto, aguardando apenas a autorização da Associação de Apoio à Residência Médica (Aremg) para divulgação. Nesta prévia, estão previstas 46 vagas em diversas áreas com acesso direto e com pré-requisito.

Veja as áreas de Residência do HMTJ *

Acesso direto 

ESPECIALIDADE VAGAS OFERECIDAS DURAÇÃO SITUAÇÃO  VAGAS PARA SERVIÇO MILITAR
ANESTESIOLOGIA 04 03 ANOS CREDENCIADO 02
CIRURGIA GERAL  06 03 ANOS CREDENCIADO
CLÍNICA MÉDICA 12 02 ANOS CREDENCIADO
MEDICINA DA SAÚDE E COMUNIDADE 2 02 ANOS CREDENCIADO
NEUROLOGIA 2 03 ANOS CREDENCIADO
GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA 4 03 ANOS CREDENCIADO
ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA 3 03 ANOS CREDENCIADO
PEDIATRIA 4 03 ANOS CREDENCIADO (PROVISÓRIO) 01

 

 Pré-requisito

 

ESPECIALIDADE VAGAS OFERECIDAS DURAÇÃO SITUAÇÃO  VAGAS PARA SERVIÇO MILITAR
CARDIOLOGIA 2 02 ANOS CREDENCIADO
CIRURGIA DO APARELHO DIGESTIVO 1 02 ANOS CREDENCIADO
ENDOCRINOLOGIA E METABOLOGIA 1 02 ANOS CREDENCIADO
MASTOLOGIA 1 02 ANOS CREDENCIADO
MEDICINA INTENSIVA 2 02 ANOS CREDENCIADO

PROVISÓRIO

NEONATOLOGIA 2 02 ANOS CREDENCIADO

*SUJEITO A ALTERAÇÕES

Veja como são as provas da residência médica Minas

As provas com programas de residência médica do HMTJ com acesso direto seguem os requisitos do processo unificado com 100 (cem) questões objetivas (múltipla escolha), sendo 20 questões para cada uma das seguintes especialidades: Cirurgia Geral, Clínica Médica, Obstetrícia e Ginecologia, Medicina Preventiva e Social (Saúde Coletiva e Medicina Geral de Família e Comunidade) e Pediatria. 

O Revisamed, curso online preparatório para Residência Médica e Atualização em Medicina disponibiliza provas para você medir o grau de conhecimento. Acesse aqui aproveite para estudar um pouco mais.

Já para os programas com pré-requisito são até 50 questões objetivas (múltipla escolha) ou até 10 (dez) questões abertas envolvendo as áreas que são pré-requisitos para entrada no Programa. Além das provas, há também avaliação curricular.

Residente deve considerar também qualidade de vida.

 Unir a qualidade de vida e um especialização na área médica de alta qualidade é sonho de qualquer estudante ou médico que se preparar para fazer concursos de residências médica. A escolha da cidade também deve ser um ponto a ser observado pelo residente. 

HMTJ está em cidade referência na assistência à saúde

Além de estar estrategicamente localizada perto do eixo Rio-São Paulo – BH, Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira, é reconhecida como uma cidade referência na área da saúde, com várias unidades hospitalares, faculdades na área da saúde e universidades privadas e federal. Entre as opções de vagas o Hospital e Maternidade Therezinha (HMTJ) é uma das principais opções para o residente.

 

treineiro residência médica

Estudante pode fazer prova de residência médica como “treineiro”

Que tal fazer uma prova de residência médica como “treineiro”? . É isto mesmo! O estudante de Medicina que só vai concorrer a uma vaga de residência daqui a alguns anos, pode vivenciar a experiência, desde já, de uma prova de residência médica.

treineiro residência médica

Vários editais de grandes concursos de residência médica para 2020 já estão com as inscrições abertas. E você sabia que mesmo não disputando uma vaga você pode fazer a prova como treineiro? Isto mesmo. Um dos editais que permite essa experiência aos estudantes de Medicina é o da Associação Médica do Paraná (AMP) que autoriza o estudante a se inscrever no concurso como “treineiro”. 

Qual a vantagem de fazer prova de residência médica para treinar?

A participação de estudantes em concursos com treineiros é comum, seja nos concursos vestibulares, provas no Enem ou concursos públicos. Geralmente, a ideia é mesmo de testar o conhecimento e a habilidade na prove.

Por que então não fazer o mesmo com as provas de residência? Treineiro para prova de residência

Bom, para os organizadores do maior Processo Seletivo Unificado (PSU) do SUS São Paulo, o maior concurso do país, a ideia de abrir espaços para treineiros foi uma forma de desmistificar a prova de residência.

Além disso, fazer a prova apenas para treinar permite que os estudantes tenham uma real avaliação do seu desempenho e das áreas médicas que precisa estudar mais

É importante que você saiba também que, mesmo como candidato que vai apenas treinar, é preciso fazer a inscrição e seguir as regras do edital do concurso que você escolher.

Que tipo de prova o treineiro de residência médica vai fazer?

Os treineiros fazem prova de conhecimentos médicos com questões de Clínica Médica, Cirurgia Geral, Pediatria, Ginecologia e Obstetrícia, e Medicina Preventiva e Social.

O edital da Associação Médica do Paraná (AMC), uma dos primeiros a serem divulgados e que permitir a inscrição de estudantes mesmo sem a disputa de vaga, define também que  escores dos inscritos às vagas de treineiros não terão divulgação pública. 

No entanto, aqueles que obtiverem escores acima de 6,0 poderão solicitar Certificado de Pontuação. 

Está decidido a fazer prova como treineiro? Então, saiba mais sobre o edital da AMP

Fique atento porque as inscrições vão até o dia 15 de outubro. O edital define três modalidades de candidatos:

  •  Médicos que pretendem cursar o 1º ano de Residência Médica em uma especialidade sem pré-requisito;
  •  Médicos que pretendem complementar sua formação em especialidade com pré-requisito; 
  • Treineiros: Médicos e acadêmicos de medicina, somente para efeito de treinamento e avaliação de conhecimentos, sem direito a candidatarem-se às vagas dos Programas de Residência Médica. 

O concurso constará de três fases. Confira:

  •  1ª FASE: Exame AMP/UCAMP (Prova Geral) ou Provas Específicas (apenas para candidatos à residência médica em especialidade com pré-requisito), elaboradas e aplicadas pela equipe de profissionais designados pela AMP/UCAMP, cujos conteúdos programáticos foram embasados na bibliografia ao final transcrita e detalhada.
  •  2ª FASE: Análise e defesa de currículo e  prova prática, sob a responsabilidade exclusiva dos Programas de Residência Médica/COREMES participantes e de acordo com as normativas da Comissão Nacional de Residência Médica e PROVAB, com o estabelecimento de critérios que retirem toda e qualquer subjetividade na respectiva aferição.

O conteúdo programático do exame da Associação Médica 2019/2020 também está dividido de acordo com as especialidades médicas como ou sem pré-requisitos.

  • PROVA GERAL: para especialidades sem pré-requisitos,100 questões de múltipla escolha, divididas por número igual de questões nas áreas básicas de Clínica Médica, Cirurgia Geral, Pediatria, Obstetrícia, Ginecologia e Medicina Preventiva e Social, cada questão com cinco alternativas e apenas uma correta.
  • PROVAS ESPECÍFICAS: para especialidades com pré-requisitos: 50 questões de múltipla escolha, com cinco alternativas e apenas uma correta e versará exclusivamente sobre a área básica respectiva e esta será unificada conforme o pré-requisito. (Ex: o candidato à residência médica em Cirurgia Plástica fará prova de Cirurgia Geral).
  • PROVA ESPECÍFICA: para especialização em Ecocardiografia, 20 questões de múltipla escolha, com cinco alternativas e apenas uma correta.

As oportunidades para a Residência Médica no Paraná envolvem praticamente todas as especialidades médicas e são 24 hospitais participantes. Veja quais sãos:

Acompanhe o blog Revisamed e nossas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades e dos editais de Residência Médica 2020 e concursos públicos.

práticas procedimentos emergência

Curso Práticas em Procedimentos de Emergência: inscrições abertas

A emergência médica é uma das áreas que te atrai? Que tal então adquirir e ampliar seus conhecimentos com um curso presencial de Práticas em Procedimentos de Emergência. O curso será realizado pelo  Revisamed dia 28 de setembro. Inscreva-se.

 Como setores extremamente complexos, a urgência e emergência requer atualização contínua para os profissionais que já atuam na área. 

Para os acadêmicos de Medicina o curso é uma oportunidade de adquirir novos conhecimentos e técnicas para o melhor exercício da Medicina. Estudantes e profissionais serão treinados em estações de habilidades, sendo 100 minutos em cada uma delas, acompanhados por um professor. O curso terá duração de 10 horas.

Com professores capacitados e especialistas na área, você vai contar com toda a estrutura de um dos mais modernos Centros de Treinamento de Cirurgias Minimamente Invasivas e do Laboratório de Habilidades e Simulação Realísticas da Faculdade de Ciência Médicas e da Saúde, em Juiz de Fora, Minas Gerais, para o curso que envolve parte teórica e prática.

O  curso será realizado durante o sábado, dia 28/09/2019, com a parte teórico e prática nas estações de treinamento.

Programação do curso tem início com vídeos comentados

O curso terá início às 8h, com a apresentação de vídeos comentados abordando temas da assistência de urgência e emergência. Veja a grande de temas;

    • Cateter Central de Inserção Periférica (PICC)
    • Acesso para medida de pressão arterial (PIA)
    • Acesso para medida de pressão arterial (PIA) – Radial
    • Paracentese/ EFAST/Lavado peritoneal
    • Tamponamento cardíaco
    • Traqueostomia, cricotireoidostomia, drenagem de tórax torococentese
    • Punção lombar/Raque e Peridural
    • Fundo de olho
    • Cistostomia e punção vesical e cateterismo uretral difícil
    • Otoscopia: retirada de corpo estranho no ouvido

Serão cerca de 90 minutos de apresentação dos temas comentados e, na sequência, as turmas serão divididas por estações para o rodízio em cinco estações. 

Vamos ver agora os temas que serão abordados nas estações de treinamento.

Estações de habilidades para práticas em procedimentos de emergência

Para o melhor aproveitamento, os estudantes irão participar de todas as estações, divididos em grupos de seis por estação. Cada estação terá a duração de 100 minutos. Agora, confira os temas e treinamentos que serão expostos em cada uma das estações.

Estação 1 – Acessos Vasculares e Cateterismos
Mesa 1

Acesso venoso periférico
Pressão venosa central – demonstração       

 Mesa 2

Cateterismo gástrico e enteral (oro e naso) l: inserção e cuidados
Lavagem gástrica

Estação 2- Vias aéreas/ Anestesia 
Mesa 1

Ventilação com pressão positiva – uso do balão auto inflável
Intubação oro traqueal

 Mesa 2

Via aérea difícil: máscara laríngea
Acesso venoso central:  subclávio / jugular / femoral

Estação 3 – Procedimentos cirúrgicos / Tórax
Mesa 1

Traqueostomia
Cricotireoidostomia

 Mesa 2

 Drenagem torácica
Toracocentese
Tamponamento cardíaco

Estação 4 –  Procedimentos Cirúrgicos Gerais
Mesa 1

Sutura de lesões simples e complexas
Drenagem de abscessos

 Mesa 2 

Mesa cirúrgica e fios cirúrgicos
Paracentese
Cuidados com feridas

 Estação 5 – Outras áreas: Neurologia, Otorrinolaringologia e Urologia
Mesa 1

Otoscopia (retirada de corpos estranhos)
Fundo de olho (urgências hipertensivas)
Punção liquórica

 Mesa 2

Cistostomia
Punção vesical
Cateterismo vesical difícil
Material urológico

 A parceria com instituições especializadas no ensino médico permite ao Revisamed – Preparatório para Residência Médica e Atualização em Medicina – oferecer também cursos presenciais de alta qualidade.

Confira no Revisamed as opções presenciais e online para atualização em medicina.

medicina da família

Médicos pelo Brasil: como funciona a residência de Medicina da Família e Comunidade

O médico que planeja trabalhar no programa Médicos pelo Brasil, que substituiu o programa Mais Médicos, deve ficar atento. A residência médica em Medicina da Família e Comunidade passa a ser obrigatória. E, mais, há um forte movimento na saúde suplementar pelo resgate da Atenção Básica da Saúde onde atuam os médicos de família.

Que tal saber mais uma pouco da Residência de Medicina da Família e Comunidade. Neste artigo, vamos mostrar um pouco das especialidades e as oportunidades de trabalho. Em todos os estados existem muitos programas de residência de Medicina da Família e Comunidade que podem ser uma  boa oportunidade para o acadêmico que deseja atuar nesta área.

Neste artigo vamos mostrar um pouco da história desta especialidade médica, das oportunidades para estes especialistas e o porquê de um movimento pelo resgate da medicina de família, inclusive, na saúde suplementar. 

O melhor é começar a saber um pouco mais da especialidade para ter a certeza  de que ela combina com o seu perfil e com o que você espera do futuro profissional. Vamos lá?

Como é a residência de Medicina da Família e Comunidade?

A Residência Médica em Medicina da Família e Comunidade forma um especialista cuja característica básica é atuar, prioritariamente, em Atenção Primária à Saúde. O médico de família atua essencialmente em uma abordagem biopsicossocial do processo saúde adoecimento, integrando ações de promoção, proteção, recuperação e de educação em saúde no nível individual e coletivo.

 Você que pretende ser uma especialidade deverá ter a capacidade de priorizar a prática médica centrada na pessoa, na relação médico-paciente, no cuidado em saúde e na continuidade da atenção. O atendimento ao paciente deverá ser feito com  elevado grau de qualidade, sendo resolutivo em cerca de 85% dos problemas de saúde relativos a diferentes grupos etários.

Cabe ainda ao médico de família desenvolver, planejar, executar e avaliar programas integrais de saúde, para dar respostas adequadas às necessidades de saúde da população sob sua responsabilidade. Outro princípio para o médico de família é o de  estimular a participação e a autonomia dos indivíduos, das famílias e da comunidade.

A especialidade trata os pacientes em todas as fases da vida. O tratamento envolve gestação, infância e velhice. Para alguns especialistas, o médico de família é, na verdade, uma reinterpretação daquele médico do passado que cuidava de todos da casa. Alguém de referência para tratar da sua saúde. 

A diferença para o clínico geral está no fato de o clínico tratar apenas adultos. A atuação mais abrangente é do médico de família, que cuida do indivíduo como um todo. O conceito é de que a saúde não simplesmente a ausência de doenças, mas também está relacionado com o bem-estar, com o meio em que vive e suas relações com trabalho.

 Faça o download da Matriz de Competência de Residência em Medicina da Saúde e Comunidade

 

Quando tratamos de um paciente, olhamos o todo: as condições onde ele mora, se tem saneamento em casa, se tem acesso à informação. Olhamos tudo e às vezes o paciente nem precisa de remédio, só precisa de uma conversa e nós estamos lá para isso

Onde atua o especialista em Medicina de Família e Comunidade

A Atenção Primária à Saúde (APS) é a base do Sistema Único de Saúde (SUS). É na APS que os médicos especialistas em  Medicina de Família e Comunidade atuam para o acompanhamento de doenças mais frequentes, como diabetes, hipertensão e tuberculose. 

Na Equipe de Saúde da Família (ESF) com a comunidade permite que se conheça melhor o cidadão, garantindo maior adesão aos tratamentos e às intervenções médicas propostas. Assim, neste nível de atenção, é possível resolver cerca de até 80% dos problemas de saúde, sem a necessidade de intervenção na emergência de Unidades de Pronto-Atendimento (UPA 24h) ou de hospitais.

Daí, o importante papel do médico de família para atuação nas unidades de saúde da família com o objetivo de promover a qualidade de vida da população e intervir nos fatores que colocam a saúde em risco, como falta de atividade física, má alimentação, uso de tabaco, dentre outros, além de trazer para perto da comunidade serviços como consultas médicas, exames, vacinas, radiografias e pré-natal para gestantes.

Programa Médicos pelo Brasil exigirá especialização

É como este argumento que o Governo federal lançou o programa Médicos pelo Brasil, em substituição ao Mais Médico que passar a ter a obrigatoriedade da residência de Medicina da Família e Comunidade. Com a promessa de abrir 18 mil vagas, o programa pretende ampliar a oferta de médicos especialista em locais de difícil provimento ou de alta vulnerabilidade.

O programa contemplará duas funções: médicos de família e comunidade, e tutor médico. Para a função de Médico de Família e Comunidade, serão selecionados médicos com registro no Conselho Federal de Medicina (CRM). Se aprovados na prova escrita, serão alocados em USF pré-definidas pelo Ministério da Saúde para realização do curso de especialização em Medicina de Família e Comunidade.

Para a função de Tutor Médico serão selecionados especialistas em Medicina de Família e Comunidade ou de Clínica Médica com CRM. Nessa modalidade, os profissionais aprovados na prova escrita já ingressam, por meio de contratação via CLT, e ficam responsáveis pelo atendimento à população nas USF a que foram designados e pela supervisão dos demais médicos ingressantes no Programa Médicos pelo Brasil, durante o período do curso de especialização.

Saúde Suplementar investe na Medicina da Família

Enquanto a Medicina da Família e Comunidade é a base do SUS, a saúde suplementar começa a apostar neste modelo para frear o alto custo principalmente de exames, nem sempre baseados nas evidências. Os maiores planos de saúde do país já se movimentam para adotar a medicina de família onde o paciente deve ser inicialmente atendido.

A redução dos custos, que se traduz em sustentabilidade dos convênios, ocorre na medida em que elimina desperdícios com exames em excesso, resultado de uma consulta mais qualificada e uma atenção integral ao paciente.

O investimento na atenção primária à saúde também pelos convênios médicos faz surgir inúmeros espaços e clínicas especializados que privilegia a prevenção e educação em saúde.

 Este movimento representa uma abertura do mercado de trabalho, embora o Ministério da Saúde assegure que há baixa adesão à residência médica de medicina da família e comunidade. Em 2018, foram ofertadas 3.587 vagas e apenas 1.183 foram preenchidas.

Saiba um pouco da história da especialidade

Você sabia que desde a década de 1970 já existia a especialidade de Medicina da Família. Pois é, data de 1975 um projeto de Sistema de Saúde Comunitária. Segundo a Sociedade Brasileira de Medicina da Saúde e Comunidade, em 1976 surgiram os primeiro programas de residência no Rio Grande do Sul, Pernambuco e Rio de Janeiro.

Os programas eram chamados de residência em Medicina Geral Comunitária (MGC), nome que vigorou até 2002, quando a residência passou a ser chamada de Medicina da Família e Comunidade. Em 1981, a Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM) formalizou os PRM em Medicina Geral Comunitária, oficializando esta área como uma especialidade no Brasil, mesmo ano em que foi fundada a Sociedade Brasileira de Medicina Geral Comunitária (SBMGC), com sede em Petrópolis – RJ

Os programas se espalharam ao longo dos anos chegando até a serem alvos de críticas dos próprios médicos. Em 1988, as críticas foram intensificadas da “corporação médica” e da “Direita” (considerando a área como “Medicina de Comunista”, estatizante) quanto da ABRASCO, dos sanitaristas e da “Esquerda” (entendendo a MGC como a “Medicina de Família americana disfarçada” da época – modelo “saúde pobre para gente pobre”, “tampão social”.

Em 1990 foi o criado o SUS e, em 1994, foi criado o Programa de Saúde da Família. A partir do PSF e de outras iniciativas, as áreas voltadas à Atenção Básica em Saúde se expandiram muito.

Numa velocidade bem maior que a capacidade de formação de pessoal, criam-se especializações, cursos de curta duração, Pólos de Capacitação, entre outros, nem sempre com a qualidade desejada. Ocorreu também o estímulo às mudanças no ensino à graduação.

clinica cirúrgica

Como é a residência médica em clínica cirúrgica?

Muitos calouros da Medicina já iniciam o curso com a certeza da especialidade que vão seguir, e a clínica cirúrgica é uma delas. Seja por sonho de criança ou por influência familiar, no caso de quem já tem um médico na família. Mas, o melhor mesmo, para o calouro é se informar de todas as nuances das especialidades médicas. Que tal começarmos pela clínica cirúrgica?

Considerada uma das especialidades médicas mais atraentes, a  clínica cirúrgica exige do médico um perfil bastante peculiar. Para ser um bom cirurgião, entre outras habilidades, é preciso gostar de realizar procedimentos, ter habilidades manuais, saber lidar com situações de emergência e a trabalhar sob pressão.O cirurgião só sabe a hora que ele vai entrar para o centro cirúrgico, mas não sabe quando vai sair. 

Bom, se este é o seu caso, continue lendo este artigo. Vamos mostrar tudo sobre a residência médica em cirúrgica, que, aliás, abre o caminho para a especialização em cirurgias mais específicas. 

Como especializar em clínica cirúrgica?

O caminho considerado mais adequado é escolher um boa instituição e prestar o concurso para a residência médica. A residência é o momento, segundo os médicos e estudantes, para a consolidação do caminho profissional.

São vários os hospitais que oferecem a residência em clínica cirúrgica, e, se você já quer se inteirar da especialidade e exigências dos concursos para clínica cirúrgica, já pode acompanhar os editais que começaram a ser divulgados, agora, no segundo semestre.

Depois do internato, onde você terá contatos com os plantões nas várias áreas médicas, é na residência médica que você vai se dedicar à área escolhida. Acompanhar os procedimentos, os  preceptores e estudar muito são, sem dúvidas, ótimas iniciativas.

A concorrência para um vaga na residência médica de cirurgia é tão ou maior que entrar para a graduação em Medicina. Além disto, só para se ter uma ideia, a residência em clínica cirúrgica é a terceira especialização mais procurada na área médica do país.

Leia sobre as áreas mais e menos concorridas

Segundo os especialistas, a concorrência se dá pela própria especialidade médica, que atrai muito estudantes, e pela possibilidade de o profissional seguir para uma subespecialidades da clínica cirúrgica mais específica.

Os concursos de residência, em todas as especialidades, exigem a prova teórica e, algumas instituições, cobram também avaliações práticas, análise de currículo e entrevistas. Portanto, estar bem preparado é uma condição para realizar o seu sonho de ser um cirurgião geral.

Áreas que exigem a clínica cirúrgica como pré-requisito

A duração da residência é de três anos. Terminada esta etapa da residência (R1),  o cirurgião poderá optar pelas subespecialidades da cirurgia, que exigem como pré-requisito a clínica cirúrgica. Posteriormente, serão exigidos mais dois anos de estudos. Veja as áreas:

  • Cirurgia Geral Programa avançado
  • Cancerologia/cirúrgica
  • Cirurgia cardiovascular
  • Cirurgia cabeça e pescoço
  • Cirurgia do aparelho digestivo
  • Cirurgia pediátrica
  • Cirurgia Plástica
  • Cirurgia Torácica
  • Cirurgia Vascular
  • Coloproctologia
  • Urologia

Quanto ganha um residente em clínica cirúrgica?

Assim como todos as áreas de residência médica, na residência em cirurgia, o médico tem direito à uma bolsa de estudo no valor de R$ 3.330,43. 

Porém, algumas instituições pagam acima do estabelecido como forma de incentivo, o que é permitido. O médico residente também pode ter vínculo com outros hospitais, desde que não interfira nas atividades da residência médica. 

Leia também sobre os benefícios dos médicos residentes e os  salários dos médicos especialistas .

Como é o mercado de trabalho para o cirurgião?

A rotina de trabalho do cirurgião envolve o trabalho em plantões de emergência,que nas cidades grandes, principalmente são bastante movimentados. O desgaste físico acaba sendo inerente à profissão.

Há ainda os plantões de “sobreaviso”, em que o profissional fica à disposição para qualquer chamado, e as cirurgias eletivas – agendadas – que, no Brasil, há uma grande demanda reprimida. 

Apesar das exigências e desgastes físicos de um cirurgião geral, a contrapartida é o trabalho que salva a vida das pessoas.

É no Sistema Único de Saúde (SUS) que se encontram boa parte das vagas de residência médica para clínica cirúrgica.

Atualização: exigência constante

Um detalhe muito importante que o médico que vai se especializar em clínica cirúrgica: não é possível parar de estudar.Mas fique tranquilo, na área médica a atualização é quase uma  exigência da profissão. Isto vale para as mais de 50 especialidades médicas e áreas de atuação.

Afinal, não dá para você ficar parado no tempo enquanto a ciência evolui. Os avanços, sejam tecnológicos ou as possibilidades de abordagem, exigem atualização constante do cirurgião geral. E, finalmente, é preciso amar a profissão.

Conheça as matrizes de competências – Clínica Cirúrgica

Veja a matriz de competências do Conselho Federal de Medicina ( CFM)

Faça download da Matriz de Competência Clínica Cirúrgica

 

salario do medico

Qual o salário do médico especialista? Veja por áreas

Você que está na faculdade de Medicina caminhado para os períodos finais e o internato, conhece bem o quanto o curso exige. Muito estudo, noites de sono perdidas e dedicação para ser um profissional de sucesso. Por outro lado, são tantas as possibilidades que profissão oferece que pode deixá-lo confuso. Saber o salário do médico especialista também é outro ponto importante e que faz parte do processo de escolha. Claro que todos querem ser  bem-sucedidos na especialidade escolhida e na área que pretendem atuar. 

Entre as dúvidas, você já deve estar perguntando: vou montar meu próprio consultório,  trabalhar em clínicas ou hospitais particulares, na rede pública, empresas, cooperativas médicas, gestão, pesquisas… Enfim a sua escolha vai impactar diretamente na sua remuneração. 

Neste artigo, procuramos mostrar a remuneração média para os médicos residentes e os profissionais com maior experiência, além dos salários dos renomados hospitais do país, nas especialidades e tipos de ocupação com os parâmetros existentes no mercado. Continue lendo para que possa fazer a escolha certa, de acordo com o seu perfil profissional e o que espera para o futuro.

Taxa de empregabilidade perto dos 100%

A possibilidade de atuar em mais de um serviço médico interfere diretamente no salário do médico especialista. Tanto é que pesquisas apontam a Medicina com taxa de empregabilidade perto dos 100%, e o médico é o profissional como menor taxa de desemprego no Brasil, segundo estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – Ipea.

Existe um piso salarial para os médicos brasileiros?

Todo o ano, a Federação Nacional dos Médicos (FENAM) – entidade sindical que representa o trabalhador médico brasileiro e busca a defesa de condições de trabalho e remuneração da classe médica – divulga o Piso Salarial dos médicos para a duração de 20 horas semanais de trabalho e da Consulta FENAM.

Em 2019, o piso ficou estabelecido em R$ 14.619,39 e a Consulta FENAM R$ 179,45. Os valores são reajustados anualmente e servem para orientar as negociações coletivas da categoria. 

 O aumento é calculado segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O índice acumulado, em 2018, foi de 3,43%.

A FENAM recomenda que os referenciais integrem as pautas de reivindicações e sirvam de base para as ações coletivas e, em caso de negociação exitosa, as convenções e acordos coletivos de trabalho.

 Veja a evolução do piso estabelecido pela Fenam para um vínculo de trabalho:

Qual é o valor da bolsa de estudo para o médico residente?

Para os médicos residentes R1, o valor da bolsa de estudos estabelecido pelo governo atualmente é de R$ 3.330,43, em vigor desde 03/16. Algumas instituições já pagam acima do estabelecido como forma de incentivo, o que é permitido. Não há definição de data específica quanto ao dia de pagamento, no entanto, não pode se estender além do mês subsequente.

Algumas instituições pagam  valor maior. De acordo com o site Glassdoor,  em São Paulo a média salarial para o residente pode variar do valor mínimo da bolsa a R$ 9.000,00 com os benefícios

Qual o salário do médico especialista? Veja por áreas

De acordo com o Guia de Carreiras Catho, além do médico especialista existem outras funções exercidas pelo profissional médico com os respectivos salários. Você pode conferir na listagem abaixo algumas funções e especialidades médicas com as respectivas médias salariais no Brasil:

  • Gerente Médico: R$ 14.783
  • Coordenador Médico: R$ 10.780
  • Médico Auditor: R$ 8.343
  • Pediatra: R$ 7.338
  • Médico do Trabalho: R$ 7.242
  • Clínica Geral: R$ 6.617
  • Ginecologista: R$ 6.2014
  • Psiquiatra: R$ 5.869
  • Cardiologista: R$ 5.419
  • Médico Ultrassonografia: R$ 6.937
  • Médico Plantonista: R$ 1.676
  • Médico Endocrinologista:R$ 3.375
  • Cirurgião : R$ 7.114
  • Dermatologista: R$ 3 855
  • Geriatra: R$ 8.453
  • Médico Ambulatorial: R$ 5.543
  • Médico Visitador : R$ 2 142

Já o site Glassdoor também divulga a média salarial de algumas especialidades. Para a área de São Paulo, a média salarial das especialidades gira em torno de R$ 10.000,00.

Na área pública, maior empregador da Medicina com mais de 220 mil médicos que prestam atendimento ao SUS pode-se também ter bons salários e uma carreira de sucesso.Em instituições renomadas, como a Rede Sarah, um cirurgião geral pode receber um salário bruto de R$ 24.213,93 .

A EBSERH (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares) têm contratado, mediante concurso público e com salários razoáveis, médicos para trabalhar nos hospitais universitários federais. O salário dos concursos ficam entre R$ 10.000,00 e R$ 13.000,00, conforme editais divulgados. A empresa administra os hospitais universitários.

Os salários oferecidos pelo INSS giram em torno de R$ 9.000,00

Nos concursos de Prefeituras em todas as regiões do país, os salários variam, em média, de R$ 2.400,00 a R$ 20.000,00.

Já para o novo Programa do Governo Federal, Médicos Pelo Brasil, estima-se que o salário do médico poderá chegar a R$ 21 mil e contratação pela CLT.

Área da saúde em evolução contínua

A área da saúde é um mercado de trabalho aquecido. Dos mais especializados médicos aos técnicos encontram colocação com facilidade. Mesmo num mercado em crise, a saúde é prioridade da população que não abre mão dos cuidados. Aliados a isto, ainda há uma maior expectativa de vida do brasileiro.

O número de brasileiros acima de 65 anos deve quadruplicar até 2060. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) estima que a população com essa faixa etária deve passar de 14,9 milhões em 2013, para 58,4 milhões de pessoas em 2060. Para alguns analistas, nem mesmo o fato de muitos brasileiros terem perdido o convênio médico houve redução do número de pacientes. O resultado disto são os consultórios lotados.

Com as inúmeras especialidades (54 reconhecidas pela AMB entre especialidades e áreas de atuação) é normal que quem está saindo da faculdade fique um pouco indeciso quando o caminho a seguir. Mas o seu perfil e área com que mais e identifica certamente fará de você um profissional de sucesso.

Médicos podem ter seu próprio consultório, trabalhar em clínicas e hospitais privados, atuar na rede pública de saúde, lecionar em universidades, exercer a função de pesquisadores em institutos e laboratórios, atuar como médicos do trabalho em empresas, como gestores em unidades de saúde ou uma combinação dessas possibilidades.

Quais são os benefícios garantidos ao médico residente?

A falta de tempo de quem está prestes a fazer um concurso para residência médica pode levar o candidato a se esquecer de alguns detalhes importantes da residência, incluindo os benefícios. Ninguém quer ser surpreendido no futuro com algum critério que desconhecia. Por isto, o Revisamed reuniu, neste artigo, todas as dicas para você.

É  essencial que o médico conheça todas as regras do programa de residência da instituição e o edital do concurso. De um ano para o outro, os editais mudam da mesma forma que as resoluções e portarias da Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM) e das Comissões Estaduais de Residência Médica. 

Cabe às comissões nacional e estaduais, juntamente com o Ministério da Educação, o acompanhamento dos programas de residência. E como em qualquer relação de trabalho e estudo, os médicos residentes têm direitos e deveres, estabelecidos em contrato entre as instituições que oferecem o programa e o residente.

Você sabe quais são estes direitos e deveres?

Neste artigo, procuramos esclarecer todos os detalhes sobre o tema, para que você, ao conquistar a sua vaga na residência médica, já saiba como será esta relação com a instituição escolhida.

Começando pela bolsa de estudos. Qual é o valor e as deduções?

Começando pela questão dos valores da bolsas de residência, atualmente o R1 tem direito a um valor mensal de R$ 3,330,43 (três mil, trezentos e trinta reais e quarenta e três centavos), valor que pode ser complementado a critério da instituição financiadora.

A alíquota de contribuição previdenciária é de 11%, deduzida da bolsa do residente, e 20% recolhida pela instituição. A única exceção à regra é se a financiadora for uma instituição filantrópica: neste caso é descontado 20% diretamente da bolsa do residente.

Quem financia as bolsas?

O financiamento de bolsas pode ser realizado de forma pública (federal, estadual, municipal ou distrital) e de forma privada. O Ministério da Educação financia apenas bolsas de universidades federais e de hospitais universitários vinculados a elas.  O Ministério da Saúde, por meio de editais públicos anuais, financia instituições públicas e filantrópicas.

Existe vínculo empregatício entre o residente e o hospital?

Não existe vínculo empregatício entre o médico residente e o hospital onde cumpre o programa de Residência médica. Porém,  é necessário o contrato onde estejam previstos os direitos e deveres do médico residente de acordo com a Lei 6932. O residente também deve receber o regulamento da residência médica da instituição.

Como não há vínculo empregatício, o residente não tem direito ao 13º salário. Em compensação, durante a residência médica, o residente pode ter vínculo/contrato com outro hospital uma vez que a residência não é dedicação exclusiva. Porém, este vínculo não pode comprometer atividades da residência. 

O médico-residente é filiado ao Regime Geral de Previdência Social – RGPS como contribuinte individual.

Quais os benefícios que o hospital precisa oferecer ao residente?

De acordo com a legislação, o hospital precisa disponibilizar alojamento e alimentação ao residente, condições adequadas para repouso e higiene pessoal durante os plantões, conforme estabelecido em regulamento ( §5º Art. 1º da Lei 12.514 de 28/10/2011).

É direito primordial do médico em Programa de Residência Médica  ter acesso as todas as facilidades do ponto de vista didático, científico ou assistencial para que possa exercer suas funções de treinamento específico na especialidade, compatíveis com as condições do serviço e do Hospital.

Em relação carga horária, o limite estabelecido é de 60 horas semanais. Nestas horas, estão incluídas um máximo de 24 horas de plantão, e atividades teórico práticas, sob forma de sessões de atualização, seminários, seminários, correlações clinicopatológicos ou outras, compreendendo um mínimo de 10% e o máximo de 20%.

Para facilitar o entendimento do residente, elaboramos uma tabela com alguns dos principais pontos dos direitos do residente, regulamentados pela Comissão Nacional de Residência Médica e Comissão Estaduais. Você pode fazer o download.

DIRETOS DOS MÉDICOS RESIDENTES

 SimNãoObservação

Bolsa-estudos
R$ 3,330,43
Valor atual e que pode ser completado pela instituição

Vínculo empregatício
XO residente é filiado ao Regime Geral de Previdência Social como contribuinte individual
Décimo-terceiro salárioXComo não existe vínculo, não há 13º salário
Carga horária máxima
60 horas semanais

Incluídas um máximo de 24h de plantão e atividades teórico práticas,

Férias

30 dias
Um descanso semanal e 30 dias consecutivos de repouso, por ano de atividade

Licença-maternidade *

120 (cento e vinte) dias
A instituição responsável pelo programa poderá prorrogar quando requerido pela médica-residente, o período de licença-maternidade em até 60 dias. Lei no 770, de 9 de setembro de 2008,
Licença-paternidade
5 (cinco) dias
Licença saúde *
até 15 (quinze) dias

Atestado médico superior a quinze dias, ele deverá ser afastado pelo INSS. A sua bolsa suspensa e a reposição será feita ao final da residência, com recebimento de bolsa.

Licença nojo

8 (oito) dias
Em caso de óbito de parentes de 1º grau, ascendentes ou descendentes.
Licença gala8 (oito) diasA contar da data do casamento

Serviço Militar**
XO médico convocado pelas Forças Armadas, matriculado no 1º ano de Residência, poderá requerer a reserva da vaga em apenas um programa em todo o território nacional, pelo período de um ano.

Serviço Militar voluntário**
XA concessão de reserva de vaga será estendida aos médicos residentes, homens e mulheres, que se alistem voluntariamente ao Serviço Militar, desde que o alistamento tenha sido feito antes da matrícula no Programa de Residência Médica.

*O residente que se afastar do programa por motivo devidamente justificado deverá completar a carga horária prevista, repondo as atividades perdidas em razão do afastamento, garantindo a aquisição das competências estabelecidas no programa

 **O trancamento de matrícula para prestação do Serviço Militar implicará na suspensão automática do pagamento da bolsa do residente até o seu retorno ao programa. A vaga poderá ser preenchida sempre que houver candidato aprovado além do limite de vagas previstas em edital, no mesmo processo seletivo e para o mesmo Programa. (Resolução CNRM nº 4/2001 – Art. 3º e 4º)

 

Mayo Clinic: seja um residente do melhor hospital do mundo!

Em âmbito global, alguns hospitais estão moldando o futuro da medicina. Mas afinal, quais são os melhores hospitais do mundo? A Revista Newsweek aponta a Clinic Mayo com o melhor hospital do mundo. Quem não almeja estagiar ou fazer uma residência neste hospital? Conheça mais um pouco da Mayo Clinic.

Investimento em pesquisa, um corpo clínico mundialmente reconhecido pelos avanços e inovações, tecnologia de ponta e assistência centrada na segurança do paciente – o protagonista desta engrenagem – são os principais diferenciais dos melhores hospitais do mundo.

Os resultados obtidos nos tratamentos de pacientes de todo o mundo somam-se aos diferenciais que colocam estas redes hospitalares no topo da assistência médica mundial. 

Mas e o médico brasileiro, seja o recém-formado ou mesmo o que já está fazendo residência médica  R1 e almeja uma carreira fora do país. É possível integrar uma equipe, por exemplo, da Mayo Clinic, considerada o melhor hospital do mundo ?

A resposta é sim, você pode!

Embora o processo seja complexo e custoso, muitos brasileiros estão atuando nestes e em outros hospitais nos Estados Unidos, seja em programas de residência médica ou em estágios.

Neste artigo, vamos mostrar um pouco dos principais hospitais mundiais, com destaque para Mayo Clinic e as oportunidades que ela oferece.

Embora todo o processo seja bem complexo, é possível chegar lá.

Revista Americana Newsweek coloca Mayo Clinic no top do ranking dos dez melhores hospitais do mundo

A Revista Newsweek, em parceria com Statist Inc., empresa global de pesquisa de mercado, listou os 10 melhores hospitais do mundo em 2019. 

O estudo, divulgado em abril, leva em conta hospitais de 11 países que têm atendimento de alto nível. Os hospitais estão nos seguintes países: Canadá, Alemanha, França, Reino Unido, Suíça, Coréia do Sul, Japão, Cingapura, Austrália e Israel.

Nestes hospitais, a medicina está passando por um processo muito acentuado de evolução. No topo da lista, está a Mayo Clinic, com sede principal em Minnesota, no Estados Unidos.

Por que a Mayo Clinic ocupa o primeiro lugar?

Segundo a pesquisa, a Mayo Clinic oferece assistência médica há mais de 150 anos. A clínica conta com 19 hospitais em cinco estados americanos e atende 1,3 milhão de pessoas por ano. 

O grande destaque da Mayo são os 57 centros de pesquisas e uma escola médica inigualável – A Mayo Clinic Alix. Destes centros de pesquisas e escola médicas são irradiados inovações vitais para toda comunidade médica-científica da área da saúde. 

São mais de 7,2 mil publicações revisadas até o momento.

O que a Mayo Clinic oferece para médicos e acadêmicos?

São mais de 400 programas em todas as especialidades médicas, cirúrgicas e de ciências da saúde. As escolas e programas da Faculdade de Medicina e Ciências da Mayo Clinic têm uma ampla gama de requisitos de admissão, processos de aplicação, custos, benefícios e opções de ajuda financeira.

 Alguns programas não cobram mensalidades ao oferecer remunerações e benefícios.Mais de 280 residências e bolsas de estudo da GME em todas as especialidades médicas e cirúrgicas

Cursos R! e R3 para residência

Conheça os processos para residentes e bolsistas

A Mayo Clinic School of Graduate Medical Education na Mayo Clinic aceita residentes e bolsistas altamente qualificados para seus programas de treinamento.

Os candidatos devem possuir estas qualidades:

  • Capacidade de aprender e funcionar em uma variedade de configurações
  • Habilidades de pensamento crítico
  • Estabilidade emocional e maturidade
  • Empatia pelos outros
  • Vigor físico e mental
  • Bom senso
  • Os candidatos aprovados exibem fortes qualificações para a especialidade que desejam seguir.

Requisitos gerais de admissão

Cidadão dos EUA

Cidadãos dos EUA, imigrantes permanentes e candidatos internacionais podem participar podem se candidatar a bolsas de estudos de residências médicas, cirúrgicas e odontológicas . Veja as regras estabelecidas pela Mayo Clinic

  • As residências médicas e cirúrgicas estão abertas a diplomados qualificados de escolas médicas americanas e canadenses credenciadas.
  • As residências e bolsas especializadas em odontologia estão abertas a diplomados qualificados de escolas de odontologia aprovadas dos EUA e do Canadá.
  • Todos os graduados de faculdades de medicina fora dos EUA e Canadá devem ser certificados pela Comissão Educacional para Graduados de Medicina Estrangeira (ECFMG) para se qualificarem para admissão. Informações sobre certificação e patrocínio de visto, se necessário, estão disponíveis no site do  ECFMG .
  • A Mayo Clinic apoia o patrocínio do visto ECFMG J-1 para residentes e fellows matriculados na educação médica de pós-graduação. Os candidatos devem consultar o site do programa específico para confirmar se o programa atende a todos os requisitos para a certificação do visto ECFMG J-1. 

Visto temporário de trabalho

A Mayo Clinic também pode apoiar um visto de trabalho temporário H-1B nas seguintes circunstâncias:

  • O patrocínio de visto J-1 não está disponível (o programa não é elegível para certificação ECFMG ou não acreditado pelo ACGME e não reconhecido pelo ABMS).
  • Um estrangeiro é formado em medicina ou odontologia nos EUA, ou possui o status H-1B atual de pós-graduação em outra escola.
  • Permitir o recrutamento que se encaixa nas prioridades estratégicas de Mayo.
  • Os requisitos de elegibilidade H-1B incluem:
  • Conclusão bem-sucedida dos Passos 1, 2CK, 2CS e 3 da USMLE no momento da nomeação
  • Elegibilidade para licenciamento médico estadual apropriado (Arizona, Flórida, Minnesota)
  • Conclusão do programa no prazo de seis anos H1-B
  • Não está sujeito à exigência de devolução em casa de dois anos (os atuais titulares de visto J-1 não são elegíveis)

Como enviar?

Os candidatos devem fazer o upload de cópias digitalizadas das transcrições de cada escola de pós-graduação, faculdade de odontologia e faculdade de medicina e também devem fornecer traduções inglesas certificadas ou autenticadas de documentos originalmente escritos em um idioma diferente do inglês.

Candidatos de residência que recebem uma nomeação precisam solicitar uma transcrição oficial de sua (s) escola (s). Candidatos à bolsa que receberem uma nomeação podem ter o pedido de transcrição escolar oficial renunciado se ele foi incluído no formulário de inscrição.

Os candidatos aprovados devem cumprir todos  os requisitos de elegibilidade de licenciamento, aplicáveis  antes de iniciar uma residência ou bolsa de estudo da Mayo Clinic School of Graduate Medical Education.

Uma revisão de saúde pré-admissão e registro de imunização atual são necessários antes de iniciar um programa da Escola de Clínica Mayo de Educação Médica de Pós-Graduação. Residentes em perspectiva e bolsistas devem passar por uma verificação de antecedentes criminais e triagem de drogas.

Bolsas e benefícios para acadêmicos e médicos

Os valores oferecidos pela Mayo Clinic parecem bem atraentes. Veja a tabela divulgada no site da instituição:

 

Nível Equivalente de estipêndio anual ** Quinzenal**
Nível de pós-graduação 1 US $ 57,653 US $ 2,217
Nível de pós-graduação 2 US $ 59.662 US $ 2.295
Nível de pós-graduação 3 US $ 62.130 US $ 2.390
Pós-Graduação Nível 4 US $ 64.728 US $ 2.490
Nível 5 de pós-graduação US $ 67.521 US $ 2.597
Nível de pós-graduação 6 $ 70.086 US $ 2.696
Nível de pós-graduação 7 US $ 72.419 US $ 2.785
Nível de pós-graduação 8 US $ 75.214 US $ 2.893
Nível de pós-graduação 9 US $ 77.929 US $ 2.997
Nível de pós-graduação 10 US $ 80.617 US $ 3.101

Benefícios da Mayo Clinic

Benefícios pagos

Férias (15 dias úteis por ano)
Deficiência a curto prazo (licença médica até 13 semanas)
Licença parental paga (cinco dias)
Plano de assistência odontológica

Programas de seguros

Plano de assistência médica abrangente
Seguro de vida básico voluntário, seguro por invalidez, seguro de vida familiar
Seguro de vida adicional voluntário
Seguro voluntário de morte acidental e desmembramento
Seguro de responsabilidade pessoal excessivo

Outros benefícios

Contas de reembolso de dependentes e assistência médica
Reembolso de adoção
Folhas de ausência pagas e não pagas
Planos de anuidade com imposto diferido
Subsídio de refeição para residentes de plantão
Estacionamento gratuito e serviço de autocarro intercampus
Veja os destaques adicionais dos benefícios da Mayo Clinic .

Serviços e grupos de suporte
A Mayo Clinic oferece muitos serviços para ajudar residentes, companheiros e suas famílias durante o treinamento. No entanto, nem todos os serviços exibidos estão disponíveis nos campi da Mayo no Arizona, Flórida e Minnesota.

psu minas candidato/vaga

O que são programas de residência com acesso direto?

Se você quer sai da faculdade de Medicina e, logo em seguida, enfrentar um concurso para R1, saiba quais são as especialidades com acesso direto. Conheça também as chamadas áreas básicas que são exigidas para os concursos R3.

Já está terminando a faculdade e pensando na carreira médica que vai seguir? Então, o ideal é se preparar para enfrentar as disputadíssimas vagas nos programas de residência. 

Existem especialidades médicas que não exigem pré-requisitos, ou seja, você termina a graduação é já pode começar a residência.

 Isto não significa que você não precisa se preparar. Pelo contrário, a disputa pelas vagas ofertadas é acirrada, especialmente aquelas instituições mais renomadas.

Mesmo se você ainda vai prestar o concurso de residência médica daqui a alguns períodos, é importante se inteirar desde já dos editais e as exigências da instituição que você deseja.

 Em geral, os editais começam a ser divulgados no segundo semestre de cada ano. Tempo duração da residência, as etapas das provas e outros detalhes podem alterar de uma instituição para outra. 

O que são programas de residência médica com acesso direto?

As especialidades com acesso direto não exigem que o médico tenha algum outro pré-requisito ou especialidade prévia. O médico recém-graduado ou mesmo o profissional já formado que deseja se especializar em alguma área, precisa apenas fazer as etapas d e prova exigidas pela instituição, independente do tempo de formação ou de experiência prévia. 

Embora pareça uma situação “mais fácil”, na verdade, ser um R1 exige muita dedicação e estudos. Afinal, a concorrência é grande. Dentro desta mesma linha da não exigência de pré-requisitos, estão as chamadas áreas médicas básicas: clínica médica, clínica cirúrgica, pediatria, ginecologia e obstetrícia. Com uma especialidade básica, o médico poderá fazer uma segunda residência com uma subespecialização.

Há ainda especialização mais, voltadas para diagnóstico e terapia, que também podem ser feitas sem pré-requisitos. Entre elas, estão medicina legal, medicina nuclear, patologia, radiologia e radioterapia.

Outra situação são as áreas mais específicas dentro da especialidade médica com acesso direto. Neste caso estão, por exemplo, as especialidades cirúrgicas, como a neurocirurgia, oftalmologia, ortopedia e traumatologia, e otorrinolaringologia, até especialidades clínicas como dermatologia, genética médica, infectologia, neurologia e psiquiatria.

Vamos lá então conhecer as especialidades médicas com acesso direto.

Especialidades médicas com acesso direito 

Acupuntura  
Alergia e imunologia 
Anestesiologia 
Clínica médica
Cirurgia Geral
Dermatologia
Genética médica
Ginecologia e obstetrícia 
Homeopatia 
Infectologia
Medicina de família e comunidade   
Medicina de Emergência
Medicina do trabalho
Medicina do tráfego 
Medicina esportiva   
Medicina física e reabilitação
Medicina legal 
Medicina nuclear 
Medicina preventiva e social
Neurocirurgia
Neurologia    
Nutrologia   
Oftalmologia
Ortopedia e traumatologia
Otorrinolaringologia
Patologia
Patologia Clínica/Medicina Laboratorial
Pediatria  
Psiquiatria  
Radiologia e Diagnóstico por imagem
Radioterapia 

No artigo Residência Médica: Veja especialidades com mudanças a partir de 2019 você encontra as matrizes de competências das especialidades médicas e algumas mudanças no tempo de duração de alguns programas. 

Especialidades médicas com pré-requisitos

Para se candidatar a um R3, o profissional médico já deverá ter concluído uma especialidade prévia. Da mesma forma, a preparação é essencial, em função da relação candidato/vagas.

R3 pré-requisito em Clínica Médica 

Alergia e Imunologia
Angiologia
Cancerologia/clínica
Cardiologia
Endocrinologia
Endoscopia
Gastroenterologia
Geriatria
Hematologia e Hemoterapia
Nefrologia
Pneumonia
Reumatologia

R3 com pré-requisito em Clínica Cirúrgica

Cirurgia Geral Programa avançado
Cancerologia/cirúrgica
Cirurgia cardiovascular
Cirurgia cabeça e pescoço
Cirurgia do aparelho digestivo
Cirurgia pediátrica
Cirurgia Plástica
Cirurgia Torácica
Cirurgia Vascular
Coloproctologia
Urologia

R3 com pré-requisito em Pediatria

Oncologia pediátrica
Cirurgia pediátrica
Cardiologia pediátrica
Endocrinologia pediátrica
Pneumologia pediátrica
Neurologia pediátrica
Gastroenterologia pediátrica
Infectologia pediátrica
Medicina Intensiva pediátrica
Nefrologia pediátrica
Nutrologia pediátrica
UTI pediátrica
Neonatologia pediátrica
Hebiatria
Hematologia e Hemoterapia pediátrica

No artigo Especialidades Médicas filiadas à Associação Médica Brasileira – AMB você conhece todas as especialidades médicas reconhecidas e filiadas à AMB.

CFM define 55 especialidades e 59 áreas de atuação

Em 2018, o Conselho Federal de Medicina atualizou a relação de especialidades e áreas de atuação médica. Foram mantidas as 55 especialidades e 59 áreas de atuação já reconhecidas anteriormente. Porém, as ocorreram mudanças na lista de áreas de atuação.

A resolução criou a área de Medicina Aeroespacial e extinguiu a de Medicina de Urgência. Na verdade, essa última foi incorporada à especialidade de Medicina de Emergência, criada em anos anteriores. Nas demais áreas de atuação e especialidades, não houve mudanças em nomenclaturas, mas algumas terão alterações no seu período de formação.

As novas regras estabelecem que os três anos para a formação de novos pediatras e cirurgiões gerais serão exigidos a partir de 2020 e não a partir de 2019, como previsto anteriormente. Também acrescentou que, a partir de 2020, a residência em Clínica Médica deverá ser de três anos. A resolução ampliou, ainda, para cinco anos o tempo necessário para a formação do cirurgião cardiovascular.

A determinação do CFM também definiu a Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica e a Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica, respectivamente, como as responsáveis por realizar os concursos para a obtenção de títulos nas duas especialidades. Além das provas aplicadas pelas sociedades, os candidatos a especialistas também poderão cursar os programas de residência médica, cuja duração varia de acordo com a especialidade.

Formada por representantes do CFM, da Associação Médica Brasileira (AMB) e do Ministério da Educação, representado pela Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM), a CME tem a competência para, periodicamente, atualizar a lista de especialidades médicas e de áreas de atuação, além de estabelecer as regras para a formação de especialistas. Segundo a AMB é natural que ocorra essa atualização, já que novas especialidades e áreas de atuação podem surgir, assim como algumas podem desaparecer ou se transformar.

Médicos pelo Brasil x Mais Médicos

Mais Médicos x Médicos pelo Brasil: o que vai mudar?

Salários de R$ 21 mil, contratação pela CLT e maior oferta de vagas é o que promete o Governo com Médicos pelo Brasil para atender áreas mais carentes do Brasil

Deixar um capital ou uma grande centro  para se aventurar como médico em regiões longínquas do país pode significar uma grande experiência para você que está começando a carreira médica.

 Claro que esta decisão exigirá uma dose de aventura e o desejo de usar o conhecimento adquirido ao longo de sua graduação a serviço de populações carentes, que são as que mais necessitam de assistência médica.

Por outro lado, quem fez ou faz parte dos programas do Governo federal para levar os médicos as estas regiões mais carentes não têm dúvidas de que é uma experiência incrível. Os desafios são enormes, mas os resultados compensadores.

Neste artigo, vamos mostrar como vai funcionar o novo programa Médicos pelo Brasil que foi lançado, agora, em agosto, em substituição ao programa Mais Médicos. Entre as novidades, o programa prevê a especialização do profissional em Medicina de Família e Comunidade.

Desigualdade extrema na distribuição dos médicos

Apesar da média nacional indicar 2,18 médico para cada grupo de mil habitantes, há extrema desigualdade na distribuição dos profissionais. O estudo da Demografia Médica Brasileira confirma esta situação crítica que envolve a assistência médica a todos os brasileiros.

O Sudeste é a região com maior densidade médica por habitante (razão de 2,81) contra 1,16, no Norte, e 1,41, no Nordeste. Nos seus quatro estados, o Sudeste tem 244.304 médicos para uma população de 86.949.714 moradores. O estado de São Paulo, por sua vez, tem a mesma razão do Sudeste (2,81): concentra 21,7% da população e 28% do total de médicos do País.

Quando se compara por estados, você verifica esta desigualdade:

  • Distrito Federal – tem a razão mais alta, com 4,35 médicos por mil habitantes,
  • Rio de Janeiro –  com 3,55. 
  • São Paulo – razão de 2,81
  • Rio Grande do Sul – tem razão de 2,56
  • Espírito Santo- 2,40; e 
  • Minas Gerais – 2,30 médicos por mil habitantes. 

Na outra ponta estão estados do Norte e Nordeste. O Maranhão mantém a menor razão entre as unidades, com 0,87 médico por mil habitantes, seguido pelo Pará, com razão de 0,97. Os números deixam claro. Mas por que isto acontece?

Entidades médicas apontam falta de políticas públicas

As entidades médicas atribuem esta desigualdade à falta de políticas públicas eficazes que poderiam fazer com que os médicos migrassem e se fixassem nestas regiões que mais demanda a presença do profissional, de modo particular no interior das Regiões Norte e Nordeste. 

Além disto,  “a precariedade dos vínculos de emprego, a falta de acesso a programas de educação continuada, a ausência de um plano de carreira (com previsão de mobilidade) e inexistência de condições de trabalho e de atendimento, com repercussão negativa sobre diagnósticos e tratamentos, deixando médicos e pacientes em situação vulnerável”. 

E será que o programa Médicos pelo Brasil vai corrigir estes problemas apontados pela classe médica?

Como vai funcionar o programa Médicos Pelo Brasil?

Segundo as informações divulgadas do Ministério da Saúde, o programa Médicos pelo Brasil vai aumentar a oferta de serviços médicos em locais de alta taxa de vulnerabilidade. A estratégia é para ampliar em  7 mil vagas a oferta de médicos em municípios onde há os maiores vazios assistenciais na comparação com o programa Mais Médicos.

As regiões Norte e Nordeste juntas têm 55% do total dessas vagas. Ao todo, serão 18 mil vagas previstas, sendo cerca de 13 mil em municípios de difícil provimento.

O Médicos pelo Brasil também promete formar médicos especialistas em Medicina de Família e Comunidade. Os municípios foram divididos em 5 categorias: rurais remotos, rurais adjacentes, intermediários remotos, intermediários adjacentes e urbanos.

Serão priorizados os municípios rurais remotos, rurais adjacentes e intermediários remotos, que concentram 3,4 mil cidades, e poderão incluir todas as equipes de Saúde da Família no Programa Médicos pelo Brasil. Todas as Unidades de Saúde da Família ribeirinhas e fluviais e os Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs) também serão consideradas como prioritárias.

Como serão selecionados os médicos para o Médicos pelo Brasil?

Será feito processo seletivo eliminatório e classificatório para as funções de médico da família e comunidade e tutor médico.  Para Médico de Família e Comunidade, serão selecionados médicos com registro no Conselho Federal de Medicina (CRM). Se aprovados na prova escrita, serão alocados em USF pré-definidas para realização do curso de especialização em Medicina de Família e Comunidade.

Para a função de Tutor Médico serão selecionados especialistas em Medicina de Família e Comunidade ou de Clínica Médica com CRM. Nessa modalidade, os profissionais aprovados na prova escrita já ingressam, por meio de contratação via CLT, e ficam responsáveis pelo atendimento à população nas USF a que foram designados e pela supervisão dos demais médicos ingressantes no Programa Médicos pelo Brasil, durante o período do curso de especialização.

Remuneração e gratificação no programa Médicos pelo Brasil

Nos dois primeiros anos, os profissionais farão curso de especialização, recebendo bolsa-formação no valor de R$ 12 mil mensais líquidos, com gratificação de R$ 3 mil adicionais para locais remotos (rurais e intermediários) e de R$ 6 mil adicionais para DSEIs, além de localidades ribeirinhas e fluviais.

Aprovados no curso, os médicos realizarão uma prova para adquirirem titulação de especialista em Medicina de Família e Comunidade e poderão ser contratados via Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), permanecendo nas USF em que realizaram a formação.

A contratação via CLT apresenta quatro níveis salariais, com progressão a cada três anos de participação no programa, além de gratificação por desempenho vinculada ao alcance de indicadores de qualidade de atendimento e satisfação das pessoas atendidas.

 Este adicional por desempenho pode variar entre 11% e 30% em relação ao salário. O primeiro nível salarial pode chegar até R$ 21 mil e, gradativamente, até R$ 31 mil, considerando o acréscimo máximo da gratificação por desempenho e local de difícil provimento. Esses valores também incluem gratificação de R$ 1 mil mensais para os médicos que acumularem o cargo de tutor.

Curso de Especialização em Medicina da Família e Comunidade

O curso de especialização em Medicina de Família e Comunidade será obrigatório para a contratação federal via CLT. O médico cumprirá jornada semanal de 60 horas, sendo 40 horas voltadas à integração ensino-serviço, desenvolvendo atividades de atendimento direto à população, e 20 horas de atividades teóricas.

Os médicos serão supervisionados por seus respectivos tutores e passarão uma semana, a cada dois meses, na Unidade de Saúde da Família do tutor, realizando atendimentos em conjunto e supervisão de casos à distância a qualquer momento. Os médicos também contarão com a possibilidade de discussão de casos via telessaúde, de médico para médico.

O componente teórico será realizado por instituição de ensino superior parceira, com a participação da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC), na modalidade de ensino à distância. As avaliações serão semestrais, com aprovação obrigatória para continuidade no Programa.

Ao final do curso, o médico deverá realizar um trabalho de conclusão que consistirá na identificação e priorização de um problema existente na população vinculada a sua USF, acompanhado da intervenção para a melhoria desse problema.

Comparativo entre os programas Mais Médicos X Médicos pelo Brasil

Mais Médicos  Médicos pelo Brasil
Processo seletivo frágil Prova de conhecimentos eliminatória e classificatória
Vínculo precário, sem perspectiva de fixação e livre arbítrio Contrato CLT, carreira com progressão salarial, gratificação por desempenho e bônus para locais remotos e DSEIs
5 mil vagas em áreas prioritárias 13 mil vagas em áreas prioritárias: 7 mil vagas a mais, sendo 4 mil no Norte e Nordeste
Supervisão insuficiente Acompanhamento do tutor presencial e semipresencial
Ausência de indicadores de desempenho Gratificação por desempenho

FONTE: AGÊNCIA SAÚDE

residência médica

A Residência Médica é obrigatória?

A residência médica é o melhor caminho para ser um médico especialista de sucesso? Todos sabem que conquistar uma vaga no curso de medicina não é fácil. Certamente, você já sabe que passar no vestibular foi apenas uma primeira etapa vencida. Além do curso em si, que exige muita dedicação, daqui a pouco você estará se perguntando: e agora, o que faço do meu futuro? Devo seguir qual especialidade médica? É neste ponto que você começa a ouvir sobre a residência médica.

Embora não seja obrigatória para o exercício da profissão, a residência é considerada “padrão ouro” da especialização médica. É uma modalidade de ensino de pós-graduação, destinada a médicos, sob a forma de curso de especialização.

Portanto, é essencial que você saiba tudo sobre como se preparar e como são os concursos para e não perder tempo. A concorrência nos programas de residência médica das principais instituições, como a residência da USP, é elevada e, você, precisa estar à frente.

Neste post você vai encontrar:

O que é residência médica?

Considerada “padrão ouro” da especialização na medicina, a Residência Médica é uma modalidade de ensino de pós-graduação, instituída em 1977 (decreto 80.281, de 5/9/1977) destinada a médicos, sob a forma de curso de especialização. Ela funciona em instituições de saúde e tem orientação de profissionais médicos com alta qualificação ética e profissional. No mesmo decreto que instituiu a residência médica foi criada a Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM).

O programa de Residência Médica, integralmente cumprido dentro de uma determinada especialidade confere ao médico residente, o título de especialista. Somente programas credenciados pela Comissão Nacional de Residência Médica podem empregar a expressão “residência médica”.

Os programas concedem o título de especialista. Não são, portanto, obrigatórios para se exercer a profissão, mas a maioria dos concursos públicos exige o certificado, além de hospitais e clínicas particulares. Os programas, porém,  garantem o aperfeiçoamento do padrão profissional e científico do médico e a melhoria da assistência médica à comunidade nas áreas profissionalizantes.

Os graduados que participam de residências são supervisionados. O programa tem a duração de dois anos, podendo chegar a cinco anos dependendo da carga horária e da especialização escolhida.

Ela é obrigatória?

Não é obrigatório fazer a residência. Terminada a graduação, geralmente depois de seis anos, o médico com CRM pode atuar em consultórios, clínicas e hospitais. No entanto, ele vai atuar como generalista. Para se especializar em uma determinada área ele precisa estudar mais. Os programas de residência concedem o título de especialista.

Embora não seja obrigatória, a maioria dos concursos públicos exige a titulação, o mesmo ocorrendo em hospitais e clínicas. Portanto, o melhor mesmo é dar sequência aos estudos para construir uma carreira de sucesso. O médico que faz uma residência reconhecida pela Comissão Nacional de Residência Médica têm direito a uma bolsa-auxílio durante os estudos, atualmente, no valor de R$ 3.330,43.

Especialidades médicas mais procuradas

No topo da lista das especialidades médicas mais procuradas está a Clínica Médica ( 11,2%). A escolha da residência em clínica médica está muito atrelada ao fato de que ela é pré-requisito para várias outras áreas de atuação. 

Já na lanterna do ranking está a Genética Médica, com apenas 0,1% de especialistas. Além da questão do pré-requisito, outra fator que influencia no ranqueamento é a oferta de programas nestas áreas. Veja as cinco mais procuradas e as cinco menos procuradas conforme a pesquisa do Perfil do Médico Brasileiro, organizada pelo CFM.

  • Mais procuradas
    Clínica Médica (11,2%)
    Pediatria  (10,3%)
    Cirurgia Geral (8,9%)
    Ginecologia e Obstetrícia (8%)
  • Menos procuradas
    Medicina Esportiva (0,2)
    Medicina Legal e Perícia Médica (0,2)
    Cirurgia de Mão (0,2%)
    Radioterapia (0,2%)
    Genética Médica (0,1%) 

Como são as provas de residência médica?

Todo recém-formado com o registro do CRM pode atuar como médico generalista. Para se especializarem em uma área, precisam dar sequência aos estudos e enfrentar o período de residência médica. As provas não são direcionadas à área que você escolheu. Todas contêm temas gerais da graduação, abrangendo cinco áreas básicas: Clínica Médica, Clínica Cirúrgica, Ginecologia e Obstetrícia, Pediatria e Medicina Social.

Além da prova técnica, em média com 100 questões, são realizadas mais duas etapas: análise curricular e entrevista. O peso maior, entretanto, nestes casos é para a prova técnica.  Além da prova técnica, mais duas etapas são necessárias para conseguir a aprovação na residência escolhida: análise curricular e entrevista pessoal.

O concurso, no entanto, depende também da escolha da instituição e especialidade. As diferenças podem ser importantes com a inclusão, em alguns casos, da prova prática. Em alguns processos seletivos ela pode representar até 50% da nota e em outros nem mesmo existe. Por isto, é preciso estar bem preparado.  

Em geral, os editais de residência 2020 começam a ser divulgados pelas instituições no segundo semestre. Para começar a se inteirar dos concursos é sempre bom que você tenha desde o início da graduação um contato com o que é cobrado nas provas e também para que faça um planejamento curricular.

Quer saber tudo sobre residência médica e aprender como se preparar para as provas?

Fique de olho em tudo nas atualizações do nosso blog